Sebrae e Prefeitura de Belo Horizonte firmam acordo para desenvolver pequenas empresas

Fonte SEBRAE

Um acordo de cooperação técnica que vai impulsionar as micro e pequenas empresas de Belo Horizonte foi assinado pelo presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, e o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, durante a XV Cúpula das Mercocidades e a 58ª Reunião Geral da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), na capital mineira. O documento garante a realização de três projetos pilotos – territorial, setorial e encadeamento empresarial – envolvendo cerca de R$ 2,2 milhões com prazo de realização de dois anos.

A iniciativa visa estabelecer as bases de cooperação mútua para implementar ações e atividades previstas no Programa BH Negócios, com o objetivo de promover o desenvolvimento das micro e pequenas empresas de Belo Horizonte. Participam também desse convênio o Sebrae em Minas e o Instituto Centro de Capacitação e Apoio ao Empreendedor (Iccape), braço operacional dos projetos pilotos.

Brasileiros mais otimistas em relação à economia

Brasília – O otimismo dos brasileiros em relação à economia aumentou em novembro, revela pesquisa divulgada hoje (06/12) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Índice de Expectativas das Famílias (IEF) foi de 65,6 pontos, 3,5% acima do registrado em outubro (63,1 pontos).

De acordo com o Ipea, valores entre 60 e 80 pontos indicam otimismo. O aumento ocorreu em todas as regiões, com o Centro-Oeste voltando a liderar a onda de otimismo, com 70,65 pontos, seguido pelo Sul (69,45 pontos). As demais regiões obtiveram índices similares: 64,73 pontos no Sudeste, 64,67 no Nordeste e 64,25 no Norte.

A pesquisa também mostra que 64% das famílias acreditam em melhoria na situação econômica brasileira nos próximos 12 meses, 3,5 pontos percentuais acima do resultado do mês anterior. Quando o horizonte se estende pelos próximos cinco anos, o percentual de famílias com perspectivas favoráveis cai para 61,57%.

Por faixa de renda, não há grandes variações em relação à expectativa, com grau de otimismo entre 63% e 66%. A exceção ocorre entre as famílias com renda superior a dez salários mínimos: 59,32% dos pesquisados afirmam ter perspectivas positivas para a economia.

O levantamento revela ainda que 80,8% das famílias acreditam que a situação financeira doméstica melhorará ao longo do próximo ano; 56,3% pretendem adquirir bens de consumo duráveis (como automóveis e eletrodomésticos); e 75,3% dos responsáveis pelos domicílios se sentem seguros em relação ao emprego.

Apesar do nível elevado das taxas de juros ao consumidor, a pesquisa apontou que o risco de alta taxa da inadimplência é moderado. Segundo o Ipea, 47,6% das famílias afirmaram não ter dívidas e 25,5% disseram estar pouco endividadas. Cerca de 16% admitiram ter contas atrasadas, dos quais apenas um terço acredita não ter condições de saldar os compromissos.

Fonte: Agência Brasil